Home > News E-Library > Highlights

Brazil: Bread and Justice

22 Jan 2016
Languages: English, Español, Português

"When it rains like this, people round here don't get out of the house - not even to buy bread," says Marcia dos Anjos, looking out of the glass door of the local House of Rights.

It is pouring down in Cidade de Deus, Rio de Janeiro, and the streets - quickly turning into coffee-coloured streams - are indeed deserted.

Soon, however, a young family - mother, father and two small girls - walk in, after negotiating the oceanic pools in their flip-flops. They are regulars: staff here have helped the girls to be formally acknowledged by their father and obtain their identity papers. Today, they are seeking assistance to secure a place for their youngest at the local creche, in the face of bureaucratic obstacles.

It took me 14 years to get the ownership of my house legalized

In the two years since it was established by Rio State Government - in partnership with IDLO and the EU's EUROsociAL II program - the House of Rights has provided solutions to some 26,000 cases. It was a first for Brazil. But the model - striving to bring justice and rights closer to the most vulnerable members of society - has already been replicated in the north-eastern state of Alagoas, where disenfranchisement and violence are also rampant.

"We all know how difficult it is to claim one's rights in communities like ours," says Maura, owner of a local bakery who volunteers as a community outreach worker. "It took me 14 years to have the ownership title for my house legalized."

"People are very grateful for our services, they constantly call us up to say thank you," chips in Beatrice, who tells us the story of ex-convict Marcio. "At 36, he did not have any documents, not even a birth certificate. We helped him get his papers in order, which allowed him to apply for a decent job and even get a scholarship to continue his education."

A boy separates fighting girls, then smacks one of them in the face

Alongside legal documents, conflict mediation also features high on the list of beneficiaries' requests.

While Cidade de Deus is no longer the narco-run no man's land it used to be, high levels of violence still permeate the community. Gender violence is commonplace and neighborhood disputes are at high risk of spiraling out of control. At the end of the day, we get a stark reminder of how badly the conflict mediation and awareness-raising activities of the House of Rights are needed. As we drive out, we come to a sudden halt: two girls - 15 at most - are fighting in the middle of the road, rolling on the ground and tugging at each other's hair while other youngsters stand and watch. By way of a solution, a boy the same age steps in, pulls them apart and then proceeds to smack one of the girls right in the face.

"Access to justice through structures such as the House of Rights is a priority for our government as it is clear that the process of 'pacifying' favelas cannot be limited to police or military operations," says Miguel Mesquita, Superintendent for Human Rights in Rio State Government's Secretariat for Welfare and Human Rights.

He explains that there is a plan to create a network of some 40 Houses of Rights across Rio and adds,  "IDLO's expertise and support have been key in developing the House of Rights model, and we look forward to being able to continue our partnership."

By Simona Beltrami in Rio de Janeiro 

Photos: Daniel Fernández


Brasil: Pan y Justicia

22 de enero de 2016

"Cuando llueve así, la gente de aquí no sale de casa, ni siquiera para comprar el pan”, dice Marcia dos Anjos, mirando por la puerta de cristal de la Casa de Derechos del barrio.

Está lloviendo a mares en Cidade de Deus, Río de Janeiro, y las calles, que se van convirtiendo rápidamente en torrentes de color café, están totalmente desiertas.

Pero no tarda en entrar un matrimonio joven con dos niñas pequeñas, que vienen chapoteando con sus chanclas por los inmensos charcos. Son visitantes habituales del centro: con la ayuda de su personal el padre ha reconocido a las niñas, y les han dado documentos de identidad.  Hoy vienen a que les ayuden a conseguir una plaza en la guardería del barrio para la más pequeña, porque les ponen muchas trabas burocráticas.

"Tardé 14 años en conseguir que me legalizaran el título de propiedad de mi casa"

En los dos años transcurridos desde que fue establecida por el gobierno del estado de Río, en asociación con IDLO y el programa EUROsociAL II de la UE, la Casa de Derechos ha dado solución a unos 26.000 casos. Fue la primera de Brasil. Pero el modelo –de acercamiento de la justicia y los derechos a los miembros más vulnerables de sociedad– tiene ya una réplica en Alagoas, estado del nordeste del país donde también proliferan sin control la privación de derechos y la violencia.

"Todos sabemos lo difícil que es reclamar tus derechos en comunidades como las nuestras –afirma Maura, que tiene un panadería en el barrio y hace también trabajo social voluntario–.  Tardé 14 años en conseguir que me legalizaran el título de propiedad de mi casa."

"La gente está muy agradecida por nuestros servicios; nos llaman constantemente para darnos la gracias –aclara Beatriz, que nos cuenta el caso del ex convicto  Marcio–.  A  los 36 años, no tenía ninguna documentación, ni siquiera certificado de nacimiento.  Lo ayudamos para que tuviera todos los papeles en regla y pudiera buscar un trabajo honrado, e incluso conseguir una beca para seguir estudiando.”

"Un muchacho separa a unas niñas que se están peleando y da luego una bofetada a una de ellas”

Junto con la ayuda con documentos legales, la mediación en conflictos también es una labor muy valorada por los beneficiarios de los servicios.

Aunque Cidade de Deus no es ya la tierra de nadie regida por el narcotráfico de hace tiempo, sigue habiendo altos índices de violencia en la comunidad. La violencia de género es muy común, y es fácil que las disputas de vecinos se vuelvan incontrolables. Al final del día tenemos un lamentable recordatorio de hasta qué punto se necesitan desesperadamente las actividades de mediación en conflictos y sensibilización que desarrolla la Casa de Derechos. Cuando nos marchamos ya, tenemos que detener de pronto el vehículo: hay dos niñas, de 15 años como mucho, peleándose en medio de la carretera; ruedan por el suelo y se tiran del cabello, junto a otros chiquillos y chiquillas que miran sin hacer nada. Para arreglarlo, un niño de la misma edad se adelanta, las separa y le da a una de las dos una bofetada.

"El acceso a la justicia por medido de estructuras como la Casa de Derechos es una prioridad para  nuestro gobierno, pues está caro que el proceso de ‘pacificar’ las favelas no puede consistir únicamente en operaciones policiales o militares", asegura Miguel Mesquita, superintendente de Derechos Humanos de la Secretaría de Estado de Asistencia Social y Derechos Humanos del gobierno de Río.

Explica que está previsto crear una red de unas 40 Casas de Derechos en todo Río y añade: "la competencia y el apoyo de IDLO han sido fundamentales para desarrollar el modelo de la Casa de Derechos, y esperamos poder continuar con nuestra asociación."

Por Simona Beltrami, en Río de Janeiro

Fotos: Daniel Fernández

 

Brasil: Pão e justiça

22 de janeiro de 2016

“Quando chove assim, as pessoas aqui não saem de casa – nem pra comprar pão”, diz Marcia dos Anjos, olhando para a rua através da porta de vidro da Casa de Direitos do bairro.

Cai uma chuva torrencial na Cidade de Deus, no Rio de Janeiro, e as ruas – que logo se transformam em riachos cor de café – estão mesmo desertas.

Mas não demora muito até que uma jovem família – mãe, pai e duas meninas pequenas – vença as poças oceânicas com seus chinelos de dedo e consiga entrar no prédio. São frequentadores assíduos: os funcionários da casa têm ajudado as meninas a obter o reconhecimento formal por parte do pai, para terem acesso aos seus documentos de identidade. Hoje, a família busca ajuda para conseguir uma vaga para a menina mais nova na creche local, por causa dos obstáculos burocráticos.

"Levei 14 anos para conseguir ter  a posse minha casa legalizada"

Nos dois anos desde que foi estabelecida pelo governo do estado do Rio de Janeiro – em parceria com a IDLO e o programa EUROsociAL II da UE – a Casa de Direitos já proporcionou soluções para aproximadamente 26.000 casos. Foi a primeira deste tipo no Brasil. Mas o modelo, que visa a trazer justiça e direitos para perto dos membros mais vulneráveis da sociedade, já foi reproduzido no estado de Alagoas, no nordeste do Brasil, onde os níveis de exclusão e violência também são alarmantes.

“Todos nós sabemos como é difícil reivindicar nossos direitos em comunidades como a nossa”, diz Maura, proprietária de uma padaria local, que faz trabalhos voluntários para a comunidade. “Levei 14 anos para conseguir ter a posse de minha casa legalizada.”

“As pessoas são muito gratas por nossos serviços, elas sempre nos chamam para agradecer”, acrescenta Beatrice, que nos conta a história do ex-presidiário Marcio.  “Com 36 anos, ele não tinha nenhum documento, nem certidão de nascimento. Ajudamos ele a organizar os documentos, o que permitiu que ele procurasse um emprego decente e até conseguisse uma bolsa de estudos para continuar a estudar.”

"Um menino separa a briga de duas meninas e dÁ um tapa na cara de uma delas”

Além de documentos legais, a mediação de conflitos é um dos itens mais procurados da lista de pedidos dos beneficiários do programa.

Apesar de a Cidade de Deus não ser mais uma terra de ninguém dominada pelo tráfico, como costumava ser, a comunidade continua sendo afetada por altos níveis de violência. A violência de gênero é bastante comum e as disputas entre vizinhos têm grande probabilidade de sair do controle. Durante todo o dia, fomos constantemente lembrados do quanto as atividades de conscientização e mediação de conflitos realizadas pela Casa de Direitos são necessárias. Quando saíamos da comunidade, de repente tivemos que parar o carro: duas meninas de, no máximo, 15 anos estão brigando no meio da rua, rolando no chão e puxando o cabelo uma da outra, enquanto outros jovens assistem. Para resolver aquela situação, um menino mais ou menos da mesma idade entra em cena, separa as duas meninas e esbofeteia uma delas no rosto.

“O acesso à Justiça por meio de estruturas como a Casa de Direitos é uma prioridade de nosso governo, pois é evidente que o processo de ‘pacificação’ das favelas não pode se limitar às operações policiais ou militares”, afirma Miguel Mesquita, Superintendente de Promoção dos Direitos Humanos da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos do Estado do Rio de Janeiro.

Ele explica que existe um plano para a criação de uma rede de cerca de 40 Casas de Direitos em todo o estado do Rio, acrescentando que “a experiência e o apoio da IDLO têm sido fundamentais para o desenvolvimento do modelo da Casa de Direitos, e gostaríamos muito de levar essa parceria adiante.”

Por Simona Beltrami, no Río de Janeiro

Fotos: Daniel Fernández

Country: